Publicado em 17 de fevereiro, ás 08h:37

Entenda como funciona a prática alimentar baseada em peixes, grãos e vinho

TNOnline Fernanda Neme
Dieta do mediterrâneo tem conquistado pessoas do mundo todo por sua praticidade e qualidade. Foto: Divulgação

Está procurando uma dieta para manter o corpo em dia e o organismo saudável? Que tal experimentar a dieta do mediterrâneo? A prática alimentar tem conquistado pessoas do mundo todo por sua praticidade e qualidade. A dieta caracteriza-se por uma abundante quantidade de alimentos de origem vegetal, alimentos pouco processados e de produção local. 

Segundo a nutricionista Andrezza Hretciuk, de Apucarana, o azeite de oliva é a principal fonte de gordura; o peixe, o frango e a carne são consumidos em quantidades pequenas e moderadas. Já os laticínios, principalmente queijo e iogurte, também devem ser ingeridos em quantidades reduzidas. O consumo de ovos é de até quatro vezes na semana. 

Para alegria dos apreciadores de vinho, Andrezza explica que a bebida é um dos componentes da dieta mediterrânea, considerada importante por reduzir o risco de doença cardiovascular. “Vários são os mecanismos que parecem participar do efeito protetor do vinho na coronariopatia, motivo pelo qual é indicado seu consumo, dois copos por dia”, reforça. 

Por ser rica em frutas, vegetais e oleaginosas, a nutricionista diz que nesta dieta se pode encontrar diversos tipos de vitaminas, melhorando assim, o estado nutricional do paciente. Além disso, estudos recentes publicados na revista Neurology constataram que as pessoas que fizeram a dieta mediterrânea tinham um volume cerebral maior do que aqueles que não faziam. 

Porém, apesar de trazer benefícios para a saúde de algumas pessoas, a dieta pode não ser eficaz em alguns casos. “Pessoas com colesterol e triglicerídeos elevados, ou alguma disfunção glicêmica (ou diabetes), não devem fazer essa dieta, pois assim, poderão piorar sua saúde e estado nutricional”, acrescenta. 

Alimentos permitidos

* Peixes: recomendam consumir de três a quatro porções semanais de pescada, tilápia, sardinha e salmão grelhados ou no forno. Peixe frito não vale!

* Frutas e vegetais: para manter suas propriedades nutricionais, procure preparar os legumes no vapor. O tomate é um ingrediente especial para o povo mediterrâneo, presente em molhos e também na salada. Rico em licopeno, ele deve fazer parte do cardápio com frequência

*Gorduras boas: rico em antioxidantes, benéficos para a saúde do coração, o azeite extra virgem deve temperar saladas e peixes diariamente, mas exagerar também não faz bem. É importante lembrar que cada colher de sopa de azeite contém cerca de 90 calorias. Os especialistas afirmam que o consumo de duas colheres de sopa de azeite, todos os dias, é suficiente para absorver o que o alimento tem de melhor e manter o corpo em forma.

* Castanhas: um punhado de nozes, castanhas e amêndoas entram no cardápio. Elas promovem sensação de saciedade, evitando o exagero de comida em outras refeições, e ainda são ricas em substâncias que controlam os níveis de colesterol. 

* Grãos integrais: os grãos integrais são essenciais nas refeições da dieta mediterrânea. Proteínas vegetais, também são fontes de substâncias benéficas para o organismo. Porções de lentilha, feijões, grão de bico e soja devem fazer parte da rotina diária.

* Vinho: para os pesquisadores, uma taça diária de vinho tinto completa o cardápio poderoso da dieta mediterrânea. A bebida é rica em polifenóis e resveratrol, substâncias que também protegem o coração.

Publicidade